Images

Êxodo 10: 21-29 - A nona praga


A nona praga

V:21
E lá se foram Moisés, Arão de volta à oração;

_ E agora, Senhor?

_ Eu vou mandar pro Egito uma escuridão tão espessa que luz nenhuma vai conseguir atravessar. Levanta aí sua mão pro céu.

V:22,23
Quando ele obedeceu, vieram trevas espessas sobre toda a terra do Egito por três dias: trevas que se podiam apalpar, indicando que o ar estava cheio de poeira, ou cinza, como surge de uma tempestade de pó, ou erupção de algum vulcão.

As pessoas acendiam tochas, lamparinas, lampiões, lâmpadas, faróis, holofotes, mas luz nenhuma era capaz de vencer tamanha escuridão. Ninguém saía de casa. Ora, poucos tinham coragem de sair da cama!

A nona praga, como a terceira e a sexta, foi infligida sem uma prévia advertência ao faraó.
Na terra de Gósen, é claro, tudo permaneceu normal.

Como nas pragas anteriores, esta foi um forte golpe aos deuses egípcios.

Ra, o deus-sol, tinha sido o deus principal de Egito durante séculos e cada rei se chamava a si mesmo o "filho de Ra".

Os maiores templos que o mundo jamais tinha visto foram edificados em sua honra e um deles, o grande templo de Karnak no Alto Egito, todavia é magnífico mesmo estando em ruínas.

Foi um golpe direto contra o próprio Faraó, suposto filho de Rá, Faraó era chamado de “O FILHO DE SOL”.

Eles também adoravam a forma circular do sol, chamavam de deus Atón, que umas poucas décadas depois do êxodo chegou a ser brevemente o deus supremo do sistema religioso egípcio.

O disco do sol é o símbolo mais encontrado nos monumentos e túmulos do antigo Egito, e nas suas obras de arte.

Mediante a nona praga foi claramente demonstrada à completa impotência destes deuses para seus adoradores.

V: 24
A intensa escuridão foi mais do que o rei pode suportar por muito tempo.

E depois de três dias de absoluto breu, o rei mandou chamar Moisés e Arão e lhes disse:

_ Arão, meu amigo! Há quanto tempo, rapaz! Tudo bem com você e Moisés?

_ Sim, Faraó, tudo bem.

_ Que bom, que bom, fico feliz! Acho que vocês ainda querem ir com o povo ao deserto, não?

_ Sim senhor.

_ Vocês podem ir adorar a Deus, o SENHOR. Levem também as suas mulheres e os seus filhos, mas as ovelhas, as cabras e o gado ficarão aqui.

Isto asseguraria seu regresso do deserto já que sem o gado não poderiam viver muitos dias ali.

V:25,26
_ Ih, Faraó, não vai dar. A gente precisa levar os animais também, ordens de Javé.

_ Seus Miseráveis! Eu aqui dando minha autorização pra vocês irem, abrindo uma exceção que jamais abriria, e vocês ainda vem com exigências?

_ Lamento, mas vamos levar também os nossos animais, e não ficará nenhum, pois temos de escolher alguns para usá-los na adoração a Deus, o SENHOR. Enquanto não chegarmos lá, não saberemos quais os animais que deveremos oferecer em sacrifício a Deus.

V:27,28
Porém o SENHOR fez com que o rei continuasse teimando, e este não deixou que os israelitas saíssem do Egito.

Seu grande furor lhe fez perder todo domínio próprio;

_ Pois querem saber? Do Egito vocês não saem! NUNCA! Agora saiam da minha presença e nunca mais apareçam aqui! Pois, no dia em que tornarem a me ver, vocês morrerão!

V:29
A resposta de Moisés foi cortês e digna.

_ O senhor está certo. Nunca mais o veremos.

O representante de uma nação de escravos esteve diante de seu cruel rei com um completo domínio da situação.

Suas palavras implicam que Moisés acolheu bem a decisão real, já que seriam inúteis futuras entrevistas.

Vem aí à última e mais cruel de todas as pragas.

Em Cristo;

A seguir: A última praga é revelada

Sobre o Autor:
CLAILTON LUIZ Clailton Luiz - Empresário, Palestrante, Especialista em Gestão de Tempo e Produtividade, Escritor, Autor do Livro “Empreendedor Gourmet”, Professional e Self Coach, Leader Coach, Analista Comportamental pela Coaching Assessment. Líder de Jovens e adolescentes, pregador, professor e amante da Palavra de Deus!

Um comentário:

Related Posts with Thumbnails