Images

Levítico 12:1-8 - Semente de uma mulher


Semente de uma mulher

O capítulo 11 tratou do cuidado que o povo deveria ter para não se contaminar com as impurezas que vinha de fora. 

Mas o mal está não apenas ao nosso redor, ele está igualmente dentro de nós; nosso inimigo já está no interior. 

O capítulo 12 nos conscientiza do caráter hereditário do pecado: 

O capítulo começa por falando da semente da mulher.

Disse o Senhor a Moisés:

_Diga aos israelitas: Quando uma mulher engravidar e der à luz um menino, estará impura por sete dias, assim como está impura durante o seu período menstrual.

Estes versos falam de descendência masculina, mas o capítulo também reconhece o nascimento de "uma criança do sexo feminino".

O texto ainda fala de "sua impureza habitual", ou, em termos simples, "menstruação".

Quando Deus estabeleceu Eden como a morada para a humanidade Ele também deu o comando maravilhoso para ser frutífero e multiplicar e encher a terra. 

As crianças são um dom de Deus e são considerados uma bênção (Salmos 127; 128; etc.).

É uma alegria maravilhosa e única segurar um bebê recém nascido. 

Que emoção de ver um casal se tornar novos pais. 

Então, por que, se as crianças são uma benção, a mulher foi submetida a um tempo prolongado de purificação ritual após o parto antes que ela pudesse ser admitida no santuário? 

Não há nada de errado ou imoral sobre o parto. 

O problema aqui é que a descarga do corpo da mulher de sangue faz dela imunda.

O sangue é um tabu. 

Perder sangue era um sinal de não estar inteiro ou completo.

Se alguém derramar o sangue, ele é imperfeito e, assim, imundo.

Não há menção no texto do bebê ser imundo, mas é o de descarga de sangue que se segue ao parto que fazem a mulher impura.

Esta condição está de alguma forma relacionado com a maldição proveniente à queda. 
Isto é, na maioria das situações em que algo era considerado impuro, houve alguma ligação com a queda do homem. 

Este é particularmente o caso neste capítulo de levítico.

Talvez não há outro cenário em que a queda é tão proeminente quanto nesta área. 

Deixa eu explicar melhor;

Esta lei é com referência ao parto. 

E o parto é muito ligado à queda do homem. 

Basta perguntar a qualquer mulher que entrou em trabalho de parto. 

É doloroso e perigoso. 

Na verdade, ele é, em um sentido muito real, um desafio a morte. 

Mas não era para ser assim. 

A dor e a tristeza na gravidez surgiu porque o pecado entrou no mundo (Gênesis 3:16).

No momento em que a mãe proporciona uma nova vida, ela também perde a vida quando perde sangue, porque na lei, o sangue é um símbolo da vida. 

Perdendo sangue após o parto significa uma diminuição da vida. 

A menos que ele pare, pode levar à morte. 

Este fluxo de sangue era bastante incompatível com Deus, fonte de vida e de tudo o que é saudável. 

Qualquer coisa que traria a morte, portanto, era tratada como impura e incapaz de chegar perto da presença de Deus.

Ou seja, o parto apontava para a queda. Apontava para o pecado do homem. Mas, graças a Deus, ele também apontou para a esperança.

Uma mulher que perdia muito sangue era colocada em uma posição de doente.

A mulher, por sua natureza física, é vulnerável. 

A circuncisão é outro elemento neste capítulo que aponta para a queda.

_ No oitavo dia o menino terá que ser circuncidado.

A circuncisão foi instituída por Deus em Gênesis 17 como um sinal da aliança que um pertencia a Deus. 

Por este sinal visível, um homem em Israel se lembrou da aliança de Deus com o seu Deus e seus responsável, para ser o seu povo. 

Mas havia uma razão particular para este sinal. 

Note que o sinal não era normalmente visível. 

Como este sinal envolveu o órgão reprodutor masculino, ele serviria como um lembrete diário da promessa em que a aliança foi fundada. 

Foi um lembrete diário da Semente prometida, que foi anunciado como um julgamento sobre a serpente em Gênesis 3:15

Foi o lembrete diário de que Deus um dia enviou o seu Salvador para esmagar as obras do diabo e para restaurar o Éden para sempre. 

Era um sinal de que o sacrifício de uma mãe um dia iria inaugurar dias melhores.

Clinicamente, é interessante notar que, talvez, até ao quinto dia, os níveis de vitamina K de um recém nascido está em níveis de 100% e esta é essencial para a coagulação. 

Portanto, no oitavo dia houve existe um timing perfeito para este procedimento. 

Alguns estudiosos até sugerem que os níveis de dor, nesta fase, também são mínimos. 

Seja como for, o oitavo dia foi biblicamente o simbolismo de uma nova criação. 

Como vimos recentemente, a ordenação do sacerdócio ocorreu no oitavo dia como forma de destacar que algo novo estava ocorrendo.

Após a mãe ter circuncidado seu filho, ela estaria proibida de entrar no tabernáculo.

Ela deveria então continuar no sangue da sua purificação trinta e três dias. 

Ela não deveria tocar em qualquer coisa sagrada, nem entrará no santuário até os dias da sua purificação são cumpridas.

Mas se ela tivesse uma menina, então seria imunda duas semanas, como na sua impureza habitual, e depois permaneceria no sangue da sua purificação sessenta e seis dias.

Seriam 33 dias após a inicial de sete (um total de quarenta dias), ela não teria acesso legítimo à morada de Deus; nem poderia entrar em contacto com qualquer coisa que possa estar em contato com o tabernáculo. 

Mas se ela tivesse dado à luz uma filha, depois de duas semanas, seria considerada e mais mais 66 dias, elevando o tempo total de separação de oitenta dias que, é claro o dobro de quarenta.

O número quarenta é significativo na Escritura e, geralmente, simboliza uma época de testes. 

Por exemplo, Moisés passou quarenta anos no deserto como um tempo de testes antes de serem utilizados para libertar Israel do Egito, e depois 40 dias no Sinai recebendo os mandamentos antes que ele conduziu os israelitas para a Terra Prometida. 

Após a sua incredulidade, os filhos de Israel estavam no deserto por quarenta anos antes de conquistar Canaã. 

Elias passou quarenta dias no Monte Carmelo depois de sua derrota para profetas de Baal e antes de nova ministério. 

Jesus estava no deserto, sendo tentado por quarenta dias antes do início do Seu ministério.

Talvez os quarenta dias necessários para esta lei purificação foram também simbólico de uma hora de testar a fidelidade da mãe. 

Este tempo de separação da congregação, e o tempo que se seguiu de solidão, iria testar 
sua obediência à lei de Deus. 

E neste momento do teste, como com todos os mencionados acima, seria benéfico para a mãe. 

Como veremos, seu sacrifício seria recompensado.

Esta lei é outro exemplo do cuidado de Deus para com as mulheres. 

Em Cristo!

A seguir: A lepra e o pecado


Sobre o Autor:
CLAILTON LUIZ Clailton Luiz - Empresário, Palestrante, Especialista em Gestão de Tempo e Produtividade, Escritor, Autor do Livro “Empreendedor Gourmet”, Professional e Self Coach, Leader Coach, Analista Comportamental pela Coaching Assessment. Líder de Jovens e adolescentes, pregador, professor e amante da Palavra de Deus!

8 comentários:

  1. É verdade..
    Somente o amor de DEUS para nos afastar e nos perdoar D tanto pecado.

    ResponderExcluir
  2. Ótima explicação , mas hoje em dia as mulheres precisam ficar neste período de quarenta ou sessenta e seis dias de purificação ?

    ResponderExcluir
  3. As mulheres hoje em dia ainda precisam praticar está lei de purificação ?

    ResponderExcluir
  4. Ótima explicação , mas hoje em dia as mulheres precisam ficar neste período de quarenta ou sessenta e seis dias de purificação ?

    ResponderExcluir
  5. Não me conformo com tantas besteiras, de ser considerada impura e pecadora. Só invenção humana mesmo

    ResponderExcluir
  6. Provavelmente meu comentário não será aprovado por me negar a dar glória a algo tão absurdo

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails