Images

Juízes 6: 31-33 - O novo apelido de Gideão


O novo apelido de Gideão

O povo foi até o Joás exigindo que o entregasse seu filho para ser morto, mas Joás disse:

_ Como é que é? Vocês estão defendendo Baal?

_ Sim!

_ Não é possível! Quem vier aqui defender Baal será morto antes do sol nascer.

_ Tá maluco, velho? Ou não eram seus estes ídolos?

_ É eram, mas se Baal é realmente deus, que ele mesmo se defenda.

_ Hum...

_ Afinal, o altar dele é que foi derrubado. Pois um "deus" que não consegue se defender contra um punhado de homens não merece defesa pelos homens.

Parece que Joás, pai de Gideão, foi o segundo convertido nessa história.

_ Aí galera, pensando bem, até que o velho tem razão, vamos sair fora.

Os homens voltaram para suas casas, derrotados pelos argumentos de Joás.

E Gideão ganhou naquele dia o apelido de Jerubaal, que significa “Que Baal mesmo se defenda. O altar dele é que foi derrubado”

Poucos dias depois, os midianitas, os amalequitas e os beduínos todos se juntaram, atravessaram o Jordão e acamparam no vale de Jezreel, preparando-se para mais uma onda de saques.

Gideão ficou sabendo e resolveu que era hora de assumir a liderança do povo e partir para a ação...

Mas isso é assunto para próxima postagem.

Em Cristo!


Images

Juízes 6:23-30 - Gideão destrói o altar de baal



Gideão destrói o altar de baal

Gideão compreendeu que era mesmo o Anjo do SENHOR que ele tinha visto.

Ficou apavorado e achou que ia morrer por ter visto a Deus face a face.

Mas o SENHOR imediatamente o tranquilizou:

_ Não fique com medo.

_ Hã?

_ Está tudo está bem. Você não morrerá.

Depois disso, Gideão construiu ali um altar para Deus, o SENHOR, e o chamou de "O SENHOR é paz".

Naquela noite o SENHOR disse a Gideão:

_ Gideão?

_ Senhor?

_ Tenho uma tarefa para você.

_ Fale meu Deus!

_ Leve o touro que pertence a seu pai e outro touro de sete anos e derrube o altar do deus Baal que é do seu pai e também o Poste ídolo que está ao seu lado.

Os dois representavam o pior tipo de imoralidade praticado ali.

Era um teste da fé e dedicação de Gideão, e ele estaria se arriscando a uma punição severa pelo povo.

_ Nesse lugar alto e seguro, faça para o SENHOR, seu Deus, um altar de pedras bem arrumadas. Depois pegue o segundo touro e a madeira do poste arrancado e queime tudo no altar como sacrifício.

Gideão levou dez dos seus empregados e fez o que o SENHOR tinha dito.

Porém, como estava com medo da sua família e do povo da cidade, em vez de fazer isso de dia, fez de noite.

De madrugada, quando os homens da cidade se levantaram, acharam o altar de Baal e o Poste-ídolo derrubados e o segundo touro queimado no altar que tinha sido construído ali.

_ Destruíram nosso deus baal! Destruíram nosso deus baal!

_ Que crime bárbaro!

_ Quem foi o responsável por esta profanação?

Procuraram saber e descobriram que tinha sido Gideão, filho de Joás.

Então foram falar com o pai dele:

_ Joás, traga seu filho aqui.

_ Pra quê?

_ Oras, pra quê! Pra gente matar o infeliz!

_ Mas por quê?

_ Porque o desgraçado destruiu nosso lugar de culto lá no alto do morro, que palhaçada é essa?

_ Hum...

_ Anda, anda, traz logo esta peste aqui!

Continua na próxima postagem...

Em Cristo!
Images

Juízes 6:12-22 - Gideão face a face com o Anjo do Senhor!



Gideão face a face com o Anjo do Senhor!

O anjo veio e sentou-se debaixo de um carvalho perto do povoado de Ofra.

Esse carvalho ficava na propriedade de um camarada chamado Joás.

Gideão, que era filho de Joás, estava malhando trigo num tanque de pisar uvas, escondido, para que os midianitas não o encontrassem, quando o anjo foi falar com ele:

_ Ei, rapaz!

_ Hum? Quem é?

_ Estou vendo que você é corajoso, quero lhe dizer que Deus está ao seu lado!

_ Ah, é? Então me explica uma coisa... Se o SENHOR Deus está com o nosso povo, por que está acontecendo tudo isso com a gente? Como é que os midianitas nos humilharam desse jeito? Dizem que Deus fazia coisas impressionantes antigamente, no Egito e no deserto. Cadê os milagres? Não vejo nada além de miseráveis midianitas desdentados correndo pra lá e pra cá com sangue no zóio.

_ Escute meu jovem, você vai livrar Israel das mãos do midianitas. É uma ordem do Deus todo poderoso.

_ Hum?

_ Vá com toda a sua força e livre o povo de Israel dos midianitas. É Deus quem está mandando que você vá.

Gideão deve ter ficado pasmado, pois não se considerava digno de tamanha responsabilidade...

_ Senhor... Minha família é a mais pobre da tribo de Manassés, e eu sou o mais pobre daqui de casa.

_ Você vai conseguir porque Deus estará ao seu lado lhe dando forças. Você vai esmagar os midianitas como se fossem um só homem.

_ Se tu estás contente comigo, então me dá uma prova de que és tu mesmo que estás falando. Mas antes, vou ali preparar uma comidinha pra gente.

_ Eu ficarei aqui até você voltar!

Gideão entrou em casa, cozinhou um cabrito e preparou pães sem fermento com dez quilos de farinha.

Depois de tudo pronto, botou a comida num cesto, o caldo numa panela, e levou tudo ao anjo do SENHOR, que estava debaixo do carvalho.

_ Pronto, está aqui algo para você comer, prove?

_ Antes, quero que você coloque a carne e o pão nesta pedra e derrame o caldo em cima.

Gideão arrumou a comida sobre a pedra, e despejou o caldo em cima.

Então o anjo estendeu seu cajado e o encostou na carne e no pão.

Imediatamente saiu fogo da pedra e incinerou toda a comida.

E o Anjo desapareceu.

Com isso Gideão se assustou ao perceber estava face a face diante de um Anjo do SENHOR (o Filho de Deus).

_ Ai meu Deus! Ai meu Deus! Vou morrer! Vou morrer!

Continuamos na próxima postagem.

Em Cristo!


Images

Juízes 6: 8-11 - Gideão, o quinto Juiz


Gideão, o quinto Juiz

Como eu disse na postagem anterior, depois de sete anos d angustia, Deus mandou um profeta, para dizer aos Israelitas algumas verdades:

_ Atenção Israelitas, assim diz o SENHOR, o Deus de Israel "Eu tirei vocês da escravidão do Egito. Eu os livrei dos egípcios e dos que lutaram contra vocês aqui, nesta terra. Expulsei os seus inimigos e dei a vocês a terra deles. Eu disse que sou o SENHOR, o Deus de vocês, e que vocês não deviam adorar os deuses dos amorreus, que viviam nesta terra. Mas vocês não quiseram me ouvir."

O povo ficou meio ressabiado com o recado trazido pelo profeta.

Só que não sabiam que, logo depois disso, Deus enviaria um anjo a Israel com alguém especial.

O SENHOR buscou entre o povo alguém que tivesse caráter e coragem para obedecer às suas instruções.

O SENHOR ia livrar o povo, mas não sem que representantes do povo demonstrassem fé e obediência ao que Ele iria mandar.

A missão os provaria severamente.

Deus nos dá livramento das nossas aflições, mas primeiro requer que nos voltemos a Ele, e que lhe sejamos obedientes.

E o escolhido foi Gideão, da tribo de Manassés.

Esta tribo tinha por herança a planície de Jezreel, ótima para lavoura, mas quando os midianitas e amalequitas vieram, eles fugiram para os montes.

Quando o anjo foi procurá-lo, Gideão estava ocupado, malhando o trigo as escondidas dos midianitas.

Lagar dos tempos bíblicos
Não estava trabalhando no alto do monte, ao ar livre, aproveitando o vento, onde normalmente seria feito esse trabalho, mas no lagar onde se espremiam as uvas, para não ser visto pelas pragas insaciáveis dos midianitas.

Sem dúvida Gideão estava frustrado, e foi nessa situação nada confortável que o Anjo do SENHOR foi falar com ele.

A declaração do anjo, para abrir conversa, foi surpreendente e Gideão foi logo soltando os cachorros...

Mas isso é assunto para a próxima postagem.

Em Cristo!
Images

Juízes 6: 1-7 - Os gafanhotos midianitas


Os gafanhotos midianitas

Passaram-se quarenta anos desde a vitória de Débora e Baraque sobre Jabim e Sísera, e o povo mais uma vez começou a adorar outros deuses, a situação de sempre.

E a praga da vez foram os midianitas, um povo nômade e pouco civilizado das imediações de Canaã.

Durante sete anos os israelitas foram infernizados pelos midianitas, que eram ferozes e em grande número.

Os midianitas eram descendentes de Abraão e sua segunda mulher, Quetura.

Como nação, haviam sido destruídos nos dias de Josué (Josué 13:21, 22).

Mais de dois séculos depois, seus descendentes se tornaram poderosos novamente e, aliados aos amalequitas, dominaram sobre o povo de Israel, destruindo suas plantações e apossando-se do seu gado, ovelhas e animais de carga.

E eles nem sequer se preocuparam em conquistar Israel, eram tão numerosos como gafanhotos, tinham também o mesmo comportamento desses insetos devoradores.

Então, toda vez que os israelitas semeavam a terra, os midianitas se juntavam aos amalequitas e outros agrupamentos de beduínos e atacavam as plantações.

Acampavam em território israelita e saíam fazendo arrastão, destruindo tudo.

Os israelitas chegaram ao ponto de se esconderem em covas, cavernas e fortificações nas montanhas para fugirem dessa praga.

Existe evidência delas ainda hoje.

Depois de sete anos de angústia, o povo novamente clamou ao SENHOR, (os israelitas de então eram como muitos cristãos de hoje, que só pensam em Deus quando a coisa aperta).

Mas antes de ajudá-los, Deus primeiro mandou um profeta para recordá-los quem Ele era, e que Ele os havia prevenido a não temerem os deuses dos amorreus...

Assunto que trataremos na próxima postagem.

Em Cristo!


Images

Juízes 5:1-31 - A poesia de Débora

A poesia de Débora 

 A chave para a interpretação do capítulo 4 está no capítulo seguinte, Juízes 5.

 Não sei se você percebeu, esse capítulo é uma poesia.

 Ele é bastante parecido, na forma e no conteúdo, com o “cântico de livramento” entoado pelos israelitas após a travessia do Mar Vermelho, quando o exército egípcio foi abocanhado pelas águas raivosas deste mar. (lembra não? Então confere em Êxodo 15).

 Da mesma forma que a profetisa Miriã ajudou na composição do “cântico do livramento”, Débora também lança mão da pena para escrever esta obra...

 Não vou nesta postagem descrever os detalhes do cântico, apenas vou resumir rapidamente a sequencia dos argumentos do capítulo 5.

 Já de cara, no versículo 2 do capítulo, podemos entender a chave do capítulo anterior...

 Ele diz o seguinte: “Desde que os chefes se puseram à frente de Israel, e o povo se ofereceu voluntariamente, louvem a Deus o SENHOR.”

 Israel louva ao Senhor porque seus líderes criaram vergonha e foram realmente líderes, depois de muitos anos de pouca, ou nenhuma, liderança de fato.

 E, uma vez que os líderes assumiram sua posição, o que aconteceu?

 O povo (ou, pelo menos, parte deles) os seguiu, pois muitos voluntários se juntaram a seus irmãos israelitas na guerra contra os cananeus.

 Os versos 3 a 11 relacionam a entrega da lei no monte Sinai à libertação dos israelitas sob a liderança de Débora e Baraque.

 Nos versos 16 a 18 vemos um contraste gritante entre os “batalhadores” (Zebulom e Naftali, verso 18) e os “preguiçosos” (como Dã e Gileade, verso 17).

 Os versos 19 a 23 descrevem, em linguagem poética, a batalha travada entre cananeus e israelitas.

 Os versos 24 a 27 são poéticos, mas bastante esclarecedores, descrevendo a morte de Sísera pelas mãos de Jael. Nestes versos Jael recebe a glória que teria sido dada a Baraque.

 Os versos 28 a 30 pintam uma cena dramática. A cena é mostrada do “ponto de vista feminino”. Se Débora, a “mãe de Israel”, representa as mulheres israelitas, a mãe de Sísera representa as angustiadas mulheres cananéias, cujas perdas foram grandes nesse dia.

 O verso 31 conclui o cântico com uma bênção e uma maldição...

 Se Débora viu o poder de Deus repetido na guerra contra Sísera, agora ela vê esta batalha como uma figura do futuro relacionamento de Deus com os homens.

 _ Que todos os inimigos de Deus pereçam, como os cananeus nesta batalha...

 _ E que todos aqueles que amam a Deus sejam abençoados, brilhando como o sol em todo o seu poder e glória.

 E foi o que aconteceu...

 Os compatriotas israelitas que saíram em auxílio de seus irmãos foram abençoados.

 Já os infames que se recusaram em dar auxílio, foram amaldiçoados, não muito diferente dos cananeus que se opunham ao povo de Deus.

 Em Cristo!
Images

Juízes 4: 20-24 - Jael mata Sísera


Jael mata Sísera

Assim que Sísera dormiu, Jael pegou um martelo e uma estaca da barraca, entrou de mansinho e fincou a estaca na cabeça dele, bem na fonte.

A estaca atravessou a cabeça e entrou na terra.

Morreu na hora.

Pronto, Israel estava livre de seu grande inimigo.

Momentos depois Baraque aparece todo machão no acampamento dos queneus esperando poder completar sua vitória:

_ Onde ele está? Cadê o miserável do Sísera?

Jael disse:

_ Venha cá, e eu lhe mostro o homem que você está procurando.

Então Baraque foi com ela e encontrou Sísera no chão, morto, com a estaca atravessada na cabeça.

Jael foi à heroína do combate e foi abençoada por Débora.

Era ela uma heroína?

Não sei...

Oportunista?

Não sei...

Traiçoeira?

Também não sei...

O fato é que a Bíblia diz que Débora a declarada bendita entre as mulheres que moram em tendas.

Para mim, esta atitude de Jael foi, realmente, muito chocante, mas Deus não a incrimina de nada.

Ela, na verdade, foi um instrumento usado por Deus para dar vitória a Seus filhos.

Em Cristo!

Images

Juízes 4: 15-19 - O primeiro engarrafamento da história



O primeiro engarrafamento da história

Baraque desceu o monte Tabor com seus dez mil homens, imaginando como iria neutralizar o exército de Sísera e seus possantes carros assassinos...

Quando Baraque apareceu com o seu exército, o SENHOR fez com que houvesse uma grande confusão no meio dos soldados provocando um grande engarrafamento nos carros de Sísera e assim neutralizando sua potente tecnologia.

Como Deus fez isso?

Bem, ele enviou uma chuvinha básica que, inundou o riacho e o vale arrastando o exército e os carros de Sísera, neutralizando e tornando vítimas fáceis dos israelitas.

Sísera que não era bobo nem nada, desceu do seu carro e fugiu a pé.

Enquanto Sísera tentava livrar o seu couro, Baraque agora muito corajoso quebrava tudo...

Não sobrou nenhum inimigo e pneu para contar história...

Enquanto isso, Sísera, esgotado, procurou refúgio no acampamento de Héber, um queneu, que não havia entrado na peleja a favor de Israel, pois havia paz entre o seu grupo e Jabim, rei de Hazor.

_ Parando lá, quem é você?

_ Olá, sou Sísera da parte do rei Hazor e venho em paz...

_ O que você deseja aqui?

_ Apenas um abrigo.

Os queneus eram descendentes do sogro de Moisés, nômades e simpáticos aos israelitas.

Héber se afastou de onde eles viviam, no deserto, e havia levado suas tendas, com sua família, servos e animais para dentro do território de Israel, estando nesta ocasião junto a Quedes, onde o exército israelita se ajuntou.

Jael, esposa de Héber, saiu de sua barraca e ofereceu hospitalidade ao militar exausto;

_ Me desculpe interrompê-los, mas não pude deixar de ouvir a conversa...

_ Hum...

_ O senhor deve estar muito exausto...

_ E como estou!

_ Então fique a vontade e pode descansar em nossa barraca.

_ Hum...

_ Venha, não tenha medo.

_ Tudo bem, eu acho que vou aceitar...

_ Muito bem fique a vontade.

_ Obrigado.

Sísera entra na barraca e deita-se exausto.

_ Agora, descanse e me deixe lhe cobrir...

_ Muito obrigado. Você é muito gentil...

_ Não foi nada. Deseja mais alguma coisa senhor Sísera?

_ Bem, se não for muito incomodo, gostaria de um pouco de água porque estou com muita sede.


Ela abriu um odre de leite e lhe deu de beber.

Quando Sísera pediu água e Jael lhe deu leite, ela estava oferecendo o que havia de melhor em casa.

O povo daquela região apreciava esta bebida, feita com leite de cabra colocado num odre velho que, depois, era chacoalhado.

O leite, então, azedava ou fermentava, quando misturado com as bactérias que permaneciam no odre já usado anteriormente


_ Deseja que eu lhe faça mais alguma coisa?

_ Olha, se não for muito incômodo, você pode ficar na porta da barraca vigiando?

_ Hum... Tudo bem eu fico, e se aparecer alguém?

_ Se alguma pessoa vier e perguntar se há alguém aqui, diga que não tem ninguém.

_ Entendi, agora pode dormir tranquilo.

Sísera estava muito cansado e confiando na aparente bondade dela, caiu num sono profundo.

Assim que começou ouvir o ronco do troglodita, Jael saiu para colocar em prática o plano que a faria uma heroína entre os Israelitas.

Mas disso, falamos na próxima postagem.

Em Cristo!



Images

Juízes 4:9 - 14 - Baraque, o covarde!


Baraque, o covarde!

_ Só irei se você for comigo. Se você não for, eu também não irei.

Dizem as más línguas que Baraque era covarde e por isso o SENHOR teve que usar uma mulher para liderar o povo nos combates...

Foi em consequência disso que Baraque foi privado da honra da investida contra o inimigo: o SENHOR entregaria o famigerado Sísera nas mãos de outra mulher (Jael).

_ Está bem! Eu vou com você.

Débora era uma mulher valente, ansiosa para livrar seu povo do inimigo, ela não hesitou em acompanhar o acanhado Baraque até o norte para juntar seu exército em Quedes de Naftali.

_ Mas você não ficará com as honras da vitória, pois o SENHOR Deus me disse que entregará o incircunciso do Sísera nas mãos de uma mulher.

_ Hught...

Depois deste tapa na cara, Baraque envergonhado, convocou as tribos de Zebulom e Naftali para a cidade de Quedes, e dez mil homens o seguiram.

E Débora foi com ele...

Débora não teve medo de ir ao norte com Baraque, onde os cananeus botavam o maior terror nas populações ao ponto de estes não usarem mais as vias públicas.

Alguns comandantes em Israel, se ofereceram para combater voluntariamente...

Algumas tribos ajudaram, como, Naftali e Zebulon, a tribo de Efraim que contribuiu com guerreiros, bem como Benjamim e a meia tribo de Manassés.

Mas a união entre as tribos não estavam lá aquelas coisas...

Outras, por exemplo, nada fizeram para ajudar... Lá para as bandas de Rúben, distante, ao sul e do outro lado do Jordão houve opiniões divergentes e muita discussão mas ficaram por lá...

De Gade e da outra meia tribo de Manassés, também do outro lado do Jordão, não foi ninguém...

Dã, no litoral do Mediterrâneo, preocupou-se com seus navios e não ajudou...

Aser, também no litoral, nada fez...

Enquanto isso, a notícia do ajuntamento israelita e de sua subida pelo monte Tabor correu e chegou aos ouvidos de Sísera, "o terrível", que prontamente convocou seu exército raivoso e foi ao encontro dos revoltosos.

O caminho melhor para seus carros era o vale do ribeiro Quison, e foi por ali que subiram em direção ao monte...

A chapa estava prestes a esquentar...

Então Débora disse a Baraque:

_ Agora é s sua vez, vá!

_ Que-quem? E-eeu?

_ É, você Baraque! Vá agora porque é hoje que o SENHOR lhe dará a vitória sobre Sísera. O SENHOR está com você!

Então Baraque, pela graça e misericórdia do Senhor, desceu do monte Tabor com os seus dez mil homens...

O que aconteceu com nosso... corajoso guerreiro?

É assunto para a próxima postagem...

Em Cristo!
Images

Juízes 4:1-8 - Débora, uma mãe para os Israelitas.




Débora, uma mãe para os Israelitas.

Para não perder o costume, pela terceira vez, depois da morte de Josué, o povo de Israel voltou a pirar o cabeção, ignorando os mandamentos de Deus... 

O Senhor então, os entregou nas mãos dos cananeus (que já não mais estariam na terra se os israelitas houvessem obedecido fielmente ao SENHOR). 

Desta vez foi o rei Jabim, de Hazor, que dominou os israelitas. 

Mais de um século antes, Josué havia derrotado outro rei Jabim de Hazor e destruído esta cidade completamente. 

Evidentemente com o tempo, os israelitas permitiram que os cananeus se reorganizassem como nação e reconstruíssem a cidade (que ficava dentro do território de tribo de Naftali), e se fortificassem. 

Com o tempo, Hazor, tornou-se na mais importante cidadela do norte de Canaã, controlando a principal rota comercial. 

Com isso cessaram as caravanas, e os viajantes tinham que tomar desvios tortuosos, ficando desertas as aldeias em Israel. 

O comandante do exército de Hazor era um tal de Sísera (Servo de Ra, um insignificante deus egípcio), esse camarada contava com novecentos carros de combate de ferro, o suficiente para maltratar violentamente seus vizinhos narigudos. 

Novamente os filhos de Israel clamaram ao SENHOR e, somente depois de um castigo de vinte anos, veio o livramento. 

É notável que desta vez o SENHOR usou duas mulheres: Débora (Abelha) e Jael (Cabra Montanhesa). 

Mas vamos falar por hora de Débora, que era casada com Lapidote (Tochas), ela era profetisa e julgava a Israel naquele tempo. 

Ela é a segunda profetisa mencionada na Bíblia até agora... 

A primeira foi Miriã, irmã de Moisés, e as outras foram Hulda (2 Reis 22:14), a falsa Noadia (Neemias 6:14), a esposa de Isaías (Isaías 8:3), Ana (Lucas 2:36) e a falsa Jezabel (Apocalipse 2:20), sete ao todo. 

Débora considerava-se como uma mãe dos israelitas e como a mãe que protege seus filhos e enfrenta corajosamente o que representa um perigo para eles, ela agiu com sangue no zóio por Israel. 

Ela foi um dos juízes mais notáveis de Israel, e a terra ficou em paz por quarenta anos. Para acabar com a raça de Sísera, Débora chamou Baraque, um líder militar da tribo de Naftali, até onde ela estava, bem mais ao sul, na região montanhosa perto de Betel. 

_ Pois não, Sra. Débora, a que devo a honra de seu chamado? 

_ Quero que em nome do SENHOR, você reúna no monte Tabor, um contingente de dez mil homens das duas tribos... 

_ Sim, e para qual motivo, com o perdão do atrevimento? 

_ O SENHOR nos prometeu que dará em suas mãos aquele incircunciso do Sísera, juntamente seu exército e suas parafernálias assassinas. 

_ Bom, eu até vou, mas... 

_ Mas o que? 

_ Eu só concordo em fazer isso se você for junto... 

_ Hum... 

Baraque sabia que Débora era conhecida e respeitada pelo povo e lhe daria a autoridade que lhe faltava no território de outra tribo. 

Como veremos na próxima postagem, Baraque não tinha fé, autoridade, condições morais ou coragem para formar um exército para a libertação de Israel. 

Em Cristo!
Images

Juízes 3:27-31 - Otniel, Eúde e Sangar

Otniel, Eúde e Sangar

Vimos na postagem anterior que mediante uma emboscada, Eúde aproveitou-se da sua particularidade de ser canhoto, e matou Eglon com uma punhalada dada com a mão esquerda depois de lhe entregar o tributo exigido dos israelitas.

 Enquanto no meio dos moabitas achava-se a maior confusão em função da morte de Eglon, nas montanhas de Efraim encontrava-se Eúde tocando sua corneta de chifre de carneiro para chamar os israelitas para a guerra.

 _ Atenção povo de Israel! Vamos acabar com a raça dos moabitas! Já matei o Hipopótamo que eles chamam de rei, agora vamos atacá-los!

Os soldados desceram e tomaram a região nos vaus do rio Jordão por onde os moabitas costumavam passar.

 Mataram dez mil moabitas na batalha, reconquistando a soberania de Israel.

 Dessa vez houve um período de paz bem longo: 80 anos, até a morte de Eúde.

 Nada mais nos é informado a respeito de Eúde.

 Como ele atribuiu sua vitória ao SENHOR, sabemos que confiava nEle, e considerava que fora usado como instrumento nas mãos de Deus para aliviar o povo da opressão.

 A Bíblia não diz se Eúde foi usado por Deus, apesar dos detalhes minuciosos de como agiu para matar Eglom, como os métodos empregados por ele, à mentira e o homicídio parecem indicar que não foi movido por Deus.

Nesse meio tempo, só os filisteus chegaram a dar algum trabalho.

 Mas um tal Sangar, filho de Anate, cuidou bem da situação, com a incrível façanha de com uma aguilhada de bois, (uma haste de madeira ainda usada no oriente médio), feriu seiscentos filisteus.

 Os filisteus, que viviam no litoral do mar Mediterrâneo, frequentemente faziam pilhagem em partes próximas do território ocupado por Israel, fazendo sofrer o povo que lá habitava.

Com esta ação corajosa e extraordinariamente vitoriosa, Sangar retirou a opressão do povo.

 Sem dúvida, sem o poder de Deus com ele, Sangar não teria tido a habilidade e a força necessária para vencer um número tão grande de adversários.

 Sem que ele tivesse fé no poder de Deus para ajudá-lo, ele não teria a temeridade de, com tão poucos recursos, enfrentar o inimigo.

 Infelizmente, com o tempo o voltou a adorar outros deuses, aquele negócio de sempre.

 Foi quando surgiu Débora, a primeira liderança feminina da história de Israel.

 Mas isso é assunto para os próximos capítulos.

 Aguardem!

 Em Cristo!